Eles passarão, eu passarinho

outubro 16, 2008

Se lembram quando eu mostrei aqui uma Barbie inspirada em Os Pássaros? Pois bem, agora foi lançado outro produto inspirado na mesma cena desse filme do Hitchcock. É uma fantasia, que tem tudo pra fazer sucesso nesse Halloween.

Via Bem Legaus.

Anúncios

Confronto da Semana: Noviça Rebelde x Rock Horror Picture Show

outubro 13, 2008

Um musical clássico contra um alternativo.

Uma postulante à freira contra um travesti alienígena.

De um lado, as roupas feitas de cortina. Do outro, corpetes e meias-calças.

O confronto dessa semana vai ao mundo do cinema comparar dois musicais diametralmente opostos, mas que possuem legiões de fãs até hoje: Noviça Rebelde x Rocky Horror Picture Show.

A Noviça Rebelde foi um musical escrito no fim dos anos 50 que poucos anos depois se tornou um dos mais clássicos filmes de todos os tempos. Uma história de amor, humor e muita música que se passa durante a ocupação nazista na Áustria. Nesse cenário, uma postulante com pouca aptidão para o convento recebe a missão de ser babá dos 7 filhos de um capitão da Marinha Austríaca enquanto ele não se casa com a Baronesa com quem está envolvido.

Já  Rocky Horror Picture Show foi um fenômeno underground. Começou em teatros empoeirados ingleses e virou uma avalanche cult que chegou aos EUA e, finalmente, virou um filme em 1975. Que foi um fracasso comercial na época, mas que hoje, mais de 3 décadas depois, continua lotando sessões de meia-noite ao redor do mundo todas as semanas, com os fãs interagindo com o filme e tornando a experiência toda uma grande catarse que já rendeu mais de 100 milhões de bilheteria depois que saiu oficialmente de cartaz.

Os 10 rounds serão:

1º Round (Apresentando os protagonistas): Maria x Sweet Transvestite

2º Round (Chegando na Mansão): I Have Confidence x Over at the Frankenstein’s Place

3º Round (Momentos Aleatórios): The Lonely Goatherd x What Ever Happened to Saturday Night?

4º Round (Coisas Favoritas): My Favorite Things x I’ll Make You a Man

5º Round (Me pega de jeito): Sixteen Going on Seventeen x Touch-a, Touch-a, Touch Me

6º Round (Declarações): Something Good x Dammit Janet

7º Round (Momentos emocionais): Edelweiss x Don’t Dream It

8º Round (Despedidas): So Long, Farewell x I’m Going Home

9º Round (Introdução): The Sound of Music x Science Fiction/Double Feature

10º Round (Ensinamentos que entraram pra história): Do-Re-Mi x Time Warp

Então afinem os gogós porque vai começar a cantoria…

Luz, câmera, ação!

Continue lendo »


Toy Story das Trevas

outubro 11, 2008

Mash-up de Toy Story 2 com Batman: Cavaleiro das Trevas.

Via Chongas.


Confronto da Semana: Disney x Looney Tunes

outubro 7, 2008

When you wish upon a star…
Um confronto vai rolar
E esses desenhos todos
Vão se digladiar

De um lado o Pernalonga
E do outro, sem delonga
Mickey vem pra lhe enfrentar
E o sangue vai…. jorrar.

Pluto é um filho da Pluta
Foi dito antes da luta
E alguém mandou o Piu-Piu
Pra puta que pariu.

.

Ao som de Nat King Cole e When You Wish Upon a Star, seu clássico que se tornou o grande hino dos sonhos infantis, começamos mais um Confronto do Vida Ordinária. E agora um que mexe com o passado e com o presente de nós todos.

Todo mundo cresceu com esses desenhos e se lembra de dezenas de momentos com eles. A nostalgia, a magia infantil. Tudo está de volta, mas agora em clima de porrada.

Os dois maiores universos de desenhos animados se enfrentam, em um confronto que promete ser… bem, animado.

Disney x Looney Tunes

Os 10 rounds serão:

1º Round (Latinos): Zé Carioca x Ligeirinho

2º Round (Insistentes e fãs de gadgets): Professor Pardal x Coiote

3º Round (Porcos): Leitão x Gaguinho

4º Round (Como cães e gatos): Pateta x Frajola

5º Round (Felpudos e marrons): Tico e Teco x Taz

6º Round (Terceira Idade): Tio Patinhas x Vovó

7º Round (Bichinhos de estimação): Pluto x Piu-Piu

8º Round (Grandes vilões): João Bafo-de-Onça e Mancha Negra x Hortelino Troca-Letras e Eufrazino Puxa-Briga

9º Round (Pagando o pato…): Pato Donald x Patolino

10º Round (Os ícones): Mickey Mouse x Pernalonga

Uma novidade é que o vencedor desse confronto está automaticamente classificado para uma nova disputa que vai acontecer em breve aqui. Mas vou deixar quieto por enquanto. Vamos pra luta:

Continue lendo »


O Cavaleirinho das Trevinhas

setembro 25, 2008

Trailer de O Cavaleiro das Trevas reencenado por crianças. Obra de algum pai com tempo livre e bons conhecimentos de produção de vídeos.

Vou te dizer que esse Coringa mirim me deu tanto medo quanto o do Heath Ledger, mas por motivos diferentes. Motivos meio Maísa.


Cegueira não é desculpa para você não ver

setembro 18, 2008

Título desse post foi meio filosófico, meio trocadilho. Mas ignorem a parte do trocadilho.

Não li Ensaio sobre a Cegueira ainda. E sem dúvida não é o melhor filme do Fernando Meirelles (ainda é Cidade de Deus, que tá no meu Top 10 de todos os tempos). Mas é ótimo, e você não pode deixar de ver (sem trocadilho). Inclusive é um filme que “envelhece” bem. Hoje já estou gostando bem mais do que quando vi, ontem.

Julianne Moore está sublime, Mark Ruffalo e Alice Braga ótimos, e o Gael García Bernal faz uma das melhores atuações da carreira dele. Divertido e perturbador ao mesmo tempo. A cena do “I Just Called to Say I Love You” está no rol de grandes momentos desse filme, assim como a do rádio, a do reencontro do casal japonês, a do supermercado e de outras que não vou citar aqui para não falar nenhum spoiler.

Um filme que nos provoca. Nos convida a refletir sobre como olhamos o mundo. E nos faz perceber, através da alegoria de uma situação de limite como é a cegueira branca, a verdadeira essência do homem. Enquanto alguns despertam o lado mais podre e sujo, outros percebem que, para sobreviver, precisam do apoio uns dos outros, da solidariedade, do amor.

Percebem que essa é a cura para viver nesse mundo cego. Seja o literal, do filme. Ou até mesmo o nosso, onde todo mundo vê, mas poucos realmente enxergam.


Meryl Streep veste Prada e canta ABBA

setembro 13, 2008

Estreou nesse fim de semana no Brasil “Mamma Mia!”, filme baseado no musical inglês com repertório inteiro tirado de sucessos do ABBA. é claro, ABBA tem um lado meio tosco, etc, mas eu gosto. Acho um dos grupos que mais soube criar hits pops, para o bem ou para o mal (Dancing Queen é na minha opinião uma obra-prima do pop). E não duvido que a peça seja bem divertida (no caso do filme, os atores claramente devem ter se divertido enquanto filmavam). O problema é que o filme parece justamente isso, uma grande brincadeira para entreter a equipe, e não o público.

É claro que era de se esperar uma comédia puxando pro escracho, por causa da trilha, mas eles erraram a mão, exageraram. Ficou uma coisa caricata e boba além do necessário. Tanto que, tirando alguns lampejos (como em Slipping Through My Fingers, uma das melhores cenas do filme), até Meryl Streep (melhor atriz do mundo, IMO) fica completamente fora de tom. Sério, se a primeira impressão é a que fica, a diretora estreante Phyllida Lloyd não tem uma carreira muito promissora.

As cenas musicais soam extremamente teatrais, e sem que seja criado um clima para isso. Musicais tem seus detratores e seus fãs, e entre esse segundo grupo (no qual me incluo), existe uma certa tolerância para algumas coisas. Mas em Mamma Mia os números ficaram tão, mas tão toscos (e sequer foram bem cantados), que ficou parecendo tudo muito bobo.

Se o filme fosse com músicas do Roxette, essa seria a parte do Wish I Could Fly

Na trama, parece até que erraram o nome do filme, e que deveria ser Papa Mio em vez de Mamma Mia. Isso porque a história se passa no fim de semana do casamento de Sophie (a bela Amanda Seyfried), filha da personagem da Meryl, que convidou para o casório os 3 homens que pegaram sua mãe no dia que ela foi concebida (ou seja, um deles é seu pai, mas ninguém sabe quem). É assim que Pierce Brosnan, Colin FirthStellan Skarsgård entram na história. Para serem completamente desperdiçados.

No geral, Mamma Mia! é bem ruim. Mas não chega a irritar muito. Se você gosta de musicais, não vai precisar ficar torcendo pra acABBAr rápido. ()